3 de agosto de 2017

.no title 00 // o Medo.

Medo

Apercebi-me de que tenho medo. Medo porque sou humana, medo porque tenho sonhos e medo porque já me desiludi bastante. Continuo a ter uma mania incontrolável de criar expectativas acerca de certas coisas, e isso acaba por trazer à tona muitos sentimentos que, com o passar de tempo, aprendi a evitar reprimir. Porque esse é um dos piores cenários que podemos sustentar: guardar uma emoção na gaveta e alimentar-lhe o ego, aguardando pelo dia em que porventura poderemos explodir e usar essa raiva e esse rancor a nosso favor. Para além de demonstrar uma falta de consideração para connosco mesmos, é simplesmente um desperdício perdermos o nosso tempo com sentimentos que poderão ser tratados na altura certa.

Tenho receio de estar a fazer as coisas mal. Sejam elas de carácter pessoal, profissional, ou mesmo em relação às contribuições que faço ao mundo. Dei por mim a pensar, hoje, que muito possivelmente, inúmeras coisas na minha vida não acontecem porque eu fico à espera que elas caiam do céu. Não me interpretem como uma eterna sonhadora, eu mesma reconheço que sem trabalho e dedicação, os sonhos esfumaçam e as nossas atitudes estagnam no tempo, contudo, existe o medo que eu referi, assim como tantos outros. Não há mal em sentir medo, há sim o erro de sucumbirmos à sua mercê. Se o medo nos sussurrar para desistirmos e, se por uma eventualidade nós desistirmos, é porque não soubemos como gerir o assunto. Por vezes é necessário sacrificarmos pedaços do nosso coração, contudo, não é uma regra. Para todas elas, existe uma exeção, e porque não fazer disso um impulso?

Eu sei, estou a vaguear, e para ser sincera, é das coisas que melhor sei fazer. Pensar neste tipo de assuntos e permitir que eles tomem conta do meu corpo por alguns momentos, é apenas o reflexo daquilo a que chamo de "limpeza espiritual aliada ao corpo". Se dedicamos tempo a varrer pessoas pelas redes, papéis pelo quarto e tudo quanto é objeto, porque não fazê-lo com a nossa mente? Esvaziá-la, tentar entendê-la a fundo e conceder-lhe um motivo para funcionar melhor? Ou será exatamente por isso que, quando nos damos conta, estamos encurralados pelo medo?

5 comentários:

  1. Acho tão bela a forma como falas de algo que poucos falam devido às inseguranças e impermanências que pode trazer. Normalmente, consigo controlar bem o medo, principalmente o de coisas físicas, faço um trabalho mental elaboradito e enfrento a adversidade que me é proposta. Porém, medos psicológicos podem ser bem tenebrosos e um tanto irreconhecíveis à primeira vista. De qualquer forma, acho que é um exercício necessário esse de parar, reflectir e esvaziar a mente para que estejamos mais abertos e disponíveis para avançar e enfrentar novos desafios.
    Vou reflectir mais sobre isto. Bom conselho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. És sempre uma prova de que refletir assim vale a pena. Obrigada por aderires sempre nos meus momentos de vagueio! Fico feliz por saber que, após isto, terás mais em atenção os medos que te acompanham, tratando-os com a devida antecedência!
      Beijinho grande!

      Eliminar
    2. Tens-me acompanhado e sabes que o tenho feito, sim!
      Obrigada eu por me escolheres para devaneios vindos do nada que me fazem pensar e expor a minha opinião :)

      Eliminar
  2. Revi-me na totalidade das tuas palavras e acho incrível a forma aberta e honesta como partilhas estas tuas ansiedades e inseguranças. Acho o medo algo muito poderoso, capaz de tomar conta de nós se lhe dermos o suficiente para se alimentar. Mas o facto de teres a consciência desses teus medos é um primeiro passo para evitares que eles te travem e consumam. É um bom conselho para todos nós. Um beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pela apreciação! É de extrema importância para mim, quando os meus textos são interpretados da maneira como eu os escrevi para tal. É simplesmente incrível poder contar com a vossa reciprocidade em termos de cogitação! ♥
      E sim, colocando o medo num patamar bastante elevado, poderá obrigar-nos a sucumbir sem necessidade alguma! O melhor mesmo é aceitá-lo e saber domá-lo!
      Beijinhos.

      Eliminar